terça-feira, 26 de julho de 2011

O que fazer quando a criança engasga



Primeira coisa a fazer: avalie rápido a situação 

• Se o bebê não consegue chorar nem tossir, as vias aéreas podem estar fechadas, e você vai precisar ajudá-lo a voltar a respirar. Ele pode estar fazendo ruídos estranhos ou abrindo a boca sem emitir nenhum som. A pele pode começar a ficar muito vermelha, azulada ou arroxeada. 

• Se o bebê estiver tossindo ou com ânsia de vômito, é boa notícia: as vias aéreas não estão totalmente bloqueadas. Deixe seu filho tossir. Tossir é o método mais eficaz de desimpedir as vias aéreas. 

• Não tente retirar o objeto com suas mãos, a menos que você consiga vê-lo ao abrir a boca da criança. 

• Caso o bebê não consiga se desengasgar, grite e peça ajuda a alguém para levá-los ao pronto-socorro, e comece a fazer as tentativas de desengasgo (ver abaixo). Se estiver sozinha em casa com o bebê, tente desengasgá-lo por dois minutos e então telefone para alguém para pedir ajuda. 

• Se seu filho parece estar engasgado mas você não viu se ele colocou alguma coisa na boca, e ele não estava comendo, leve-o ao hospital imediatamente. Ele pode estar com uma reação alérgica a algum alimento ou uma picada de inseto, por exemplo, ou com alguma infecção, como a laringite

Segunda coisa a fazer: batidas nas costas e compressões no peito 


Se você acha que seu filho está mesmo com alguma coisa presa na garganta, sente-se e o coloque de barriga para baixo sobre suas coxas, com a cabeça voltada para os seus joelhos. Segure-o por baixo, mantendo o antebraço sob a barriga dele e usando sua mão para sustentar a cabeça e o pescoço. Deixe que a cabeça do bebê fique mais baixa que o resto do corpo. Com a outra mão, dê cinco tapas firmes, mas não com muita força, nas costas da criança, entre as omoplatas. 

Em seguida, coloque essa mão livre na cabeça do bebê, com o antebraço sobre as costas dela, e vire-a devagar, ainda mantendo a cabeça mais baixa que o corpo, na mesma posição, no seu colo. Continue segurando, para dar início às compressões no peito. 

Imagine uma linha ligando os dois mamilos do bebê e posicione dois ou três dedos, juntos, um pouco abaixo dessa linha, no centro do tórax dele. Faça uma pressão rápida, para que o peito afunde cerca de 2 cm, e deixe que ele volte à posição normal. Repita cinco vezes, sem movimentos muito bruscos. 

Continue alternando os cinco tapas nas costas e as cinco pressões no peito até que o objeto seja eliminado, ou que o bebê comece a tossir. Se ele começar a tossir, deixe que ele elimine o objeto sozinho. 



Se o bebê desmaiar, será necessário fazer respiração boca-a-boca. Coloque-o sobre uma superfície firme e incline a cabeça dele para trás, erguendo um pouco o queixo, para abrir as vias aéreas. Dependendo do tamanho do bebê e de quem faz a respiração, pode-se colocar a boca sobre o nariz e a boca do bebê ao mesmo tempo e soprar, ou então cobrir só a boca do bebê e tampar o nariz dele com as mãos. 

Procure selar sua boca na dele para que o ar não escape, e sopre com vigor. O ideal é que você sinta o peito da criança inchar com o ar lançado para os pulmões dela. Deixe o peito voltar à posição normal e sopre de novo. Mesmo que o peito do bebê não se encha, continue fazendo a respiração. 



Alterne duas respirações e 30 compressões rápidas no peito (ao ritmo de 100 compressões por minuto), com os dedos no centro do tórax, até chegar ao pronto-socorro ou conseguir ajuda especializada. Durante a operação, abra a boca do bebê para ver se consegue enxergar o objeto. Se conseguir, retire-o com os dedos. 

Mesmo que o bebê se recupere completamente do episódio, leve-o ao médico no mesmo dia. 

Devo tomar cuidado com alguma coisa especial? 

Segundo os especialistas, os maiores causadores de episódios de engasgo são: 
- Caroço de feijão, de arroz e pedaços de fruta, como maçã (mas isso não quer dizer que você não deva dar esses alimentos ao bebê -- apenas mantenha-se atenta enquanto ele come) 
- Peças pequenas que se desprendem de brinquedos 
- Bolinhas de gude 
- Pilhas e baterias 
- Tampas de caneta 
- Moedas e botões 
- Parafusos 
- Balas 

terça-feira, 19 de julho de 2011

Picos de Crescimento e Saltos de Desenvolvimento


Pico de Crescimento 
É um fenômeno que ocorre em bebês no qual estes solicitam mais mamadas do que de costume. Esta necessidade geralmente dura de poucos dias a uma semana, seguido de um retorno ao padrão menor de mamadas. A mãe costuma sentir como se não desse conta de produzir leite em quantidade suficiente para o bebê. 

Salto de Desenvolvimento 
Seu bebê anda chorando muito? Não está dormindo bem? Querendo só ficar no colo? ATENÇÃO MAMÃE, PODE SER UM SALTO DE DESENVOLVIMENTO


Os bebês não se desenvolvem em um ritmo constante, e sim às vezes dão uma acelerada, outras vezes fica mais lento. Existe um livro holandês que contém toda a cronologia destes saltos. O livro diz que o período que antecede os saltos o bebê de repente se sente perdido no mundo, pois seu sistema perceptivo e cognitivo mudou (segundo os autores, tudo isso pode ser observado neurologicamente), mas ele ainda não se acostumou, então o mundo parece muito estranho... O que acaba acontecendo é que ele quer voltar à base, ao que é conhecido, ou seja: MAMÃE. 


Então, nessas fases eles ficam mais carentes, precisando de colo, e com freqüência também comem e dormem pior. Segundo os autores, depois de algumas semanas essa fase difícil passa e tudo volta à normalidade. 

1º Salto - 1º semana


2º Salto – 8º semana (2 meses):
Seu bebê sente, cheira, vê e ouve coisas que säo totalmente novas pra ele. Ele se sente inseguro e quer o colo da mäe. Essa fase pode durar de alguns dias até duas semanas. Ele chora mais, come menos, estranha as pessoas e se agarra mais a mãe. Dorme mal e suga mais o dedo ou a chupeta. 

3º Salto – 12º semanas (3 meses):
Novamente tudo é novo: ele quer o colo da mãe!

4º Salto – 19º semana ( 4 meses e 3 semanas):
Você percebe que seu bebê faz coisas que até hoje não havia feito. Por volta da 14º até a 17º semana ele torna-se impaciente, pois percebe que as coisas estão mudando. A partir dessa idade, essa fase difícil comeca a demorar mais para passar. Normalmente dura 4 semanas mas  pode durar de 1 até 6 semanas a mais. Seu bebê chora mais, apresenta mudancas extremas de temperamento e quer mais atencão. Come e dorme menos. Emite menos ruídos que antes e se movimenta menos. Estranha as pessoas e busca maior contato corporal quando está sendo amamentado.

5º Salto – 26º semana (6 meses e 2 semanas):
Já na 23º semana o bebê torna-se mais difícil. Essa fase durará 4 semanas, podendo extender-se por até mais 5. Apresenta todas as caracteristicas da fase anterior. Busca  maior contato corporal durante as brincadeiras. 

6º Salto - 37º semana (9 meses e 1 semana): 
Seu bebê fica temperamental, “manhoso” e chora sempre. Seu humor muda rapidamente de alegre para agressivo e vice-versa. Quer ter mais atividades e não admite não tê-las! É exageradamente amoroso e tem ataques de raiva. Estranha as pessoas e protesta quando o contato corporal é interrompido. Come mal, dorme menos, movimenta-se menos e “fala” menos. Às vezes senta-se quieto e sonha acordado. Não quer que troque sua fralda, chupa sempre o dedo e se consola com seu bichinho de pano. 

7º Salto – 46º semana (11 meses e 2 semanas):
Mesmas características da fase anterior.

8º Salto – 55º semana (13 meses e 3 semanas ou 1 ano, 1 mês e 3 semanas):
Mesmas características da fase anterior. 


O segredo para essas fases é ter muita paciência, amor, carinho, colo ...  
PICOS DE CRESCIMENTO - tem a ver com alimentação, aumento de demanda de mamadas do bebê para suprir esse periodo que precisa crescer mais


SALTO DE DESENVOLVIMENTO - período onde o bebê esta desenvolvendo novas habilidades e muda de comportamento para "trabalhar" nessa nova habilidade. 

Ambos fenômenos podem ocorrer ao mesmo tempo, é só dar uma olhada como se intercalam em alguns periodos.

(Fonte: Gravidez Caminho de um Sonho)

Iniciando o 4º mês

Iniciamos o 4º mês numa linda comemoração, o aniversário de 1 ano da Lívia, filha da querida Viviane Queiroz. Valentina adorou o evento, ficou acordada até tarde. Algumas fotos abaixo.





domingo, 17 de julho de 2011

Desenvolvimento do bebê

Neste site pode-se fazer download de dois gráficos que funcionam como indicadores para o monitoramento do peso e altura dos bebês.

Neste outro site pode-se fazer este acompanhamento mês a mês, de forma online.

Abaixo, imagem do gráfico de crescimento da altura da Valentina em seus primeiros quatro meses.

Resumo do terceiro mês

Estou preparando para a Valentina doze livros, um para cada mês, contando como está sendo seu primeiro ano. Abaixo algumas fotos do livro do terceiro mês.















quinta-feira, 14 de julho de 2011

Amor que não se mede


"Não existe nenhuma doença mental causada por um excesso de colo, de carinho, de afagos... Não há ninguém na prisão, ou no hospício, porque recebeu colo demais , ou porque cantaram canções de ninar demais para ele, ou porque os pais deixaram que dormisse com eles. Por outro lado, há, sim, pessoas na prisão ou no hospício porque não tiveram pais, ou porque foram maltratados, abandonados ou desprezados pelos pais. E, contudo, a prevenção dessa doença mental imaginária, o estrago infantil crônico, parece ser a maior preocupação de nossa sociedade."

Trecho do livro "Un regalo para toda vida" do pediatra Carlos González

A primeira papinha de pêra da Valentina

Hoje Valentina experimentou, pela primeira vez, uma papinha doce de pêra com ameixa. Fiz a papinha em duas fases, sendo que:

1º - Lavei 1/2 pêra, descasquei e a cortei em pequenos pedaços. Coloquei em uma panela de ágata, com um pouco de água de ameixa (cerca de 50ml) e deixei ferver até que a pêra amolecesse. Deixei esfriar e após, amacei tudo com a ajuda de um garfo, até obter uma mistura homogênea, como na foto abaixo.


2º - As primeiras papas devem ser quase líquidas, passando depois a ser cada vez mais sólidas. Então, passei a mistura em uma peneira, obtendo uma papa parecida com uma geléia fina. Foi esta mitura que dei à Valentina.




E quais são as propriedades da pêra?
A pêra é uma fruta com alto poder de cura, rica em sais minerais como potássio, sódio, magnésio e cálcio. É levemente diurética, laxante e abaixa a pressão. As vitaminas encontradas na pêra são do tipo A, C e complexo B. É uma fruta rica em fibras, contribuíndo para o bom funcionamento intestinal. É indicada para os males da circulação sanguínea, inflamações no intestino e na bexiga. Atua ainda na boa formação de ossos, dentes, sangue e sistema nervoso.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Receitas de papinhas


PAPINHA DE CARNE, ABÓBORA, BATATA E COUVE

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de carne moída
1 batata pequena cortada em cubos pequenos
2 colheres de sopa de abóbora cortada em cubos pequenos
2 colheres de sopa de couve picada

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e a carne moída. Acrescente em seguida a batata e a abóbora. Cubra com água, tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte a couve e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva.

PAPINHA DE CARNE, BATATA, BETERRABA E COUVE-FLOR

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de carne moída
1 batata pequena cortada em cubos pequenos
½ beterraba pequena cortada em cubos pequenos
2 colheres de sopa de couve-flor picada

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e a carne moída. Acrescente em seguida a batata e a beterraba. Cubra com água, tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte a couve-flor e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva. 

PAPINHA DE CARNE, FEIJÃO, MACARRÃO, ABÓBORA E BRÓCOLIS

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de carne moída
2 colheres de sopa de feijão cozido com caldo
1 colher de sopa de macarrão para sopa
3 colheres de sopa de abóbora picada em cubos
2 colheres de sopa de brócolis picados

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e a carne moída. Acrescente em seguida a abóbora e o macarrão. Cubra com água. Tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte o feijão e os brócolis e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva. 

PAPINHA DE FRANGO, MANDIOQUINHA, BETERRABA E ESCAROLA

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de frango cortado em cubos pequenos
1 mandioquinha pequena cortada em cubos
½ beterraba pequena cortada em cubos
2 colheres de sopa de escarola picada

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e o frango. Acrescente em seguida a mandioquinha e a beterraba. Cubra com água. Tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte a escarola e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva. 

PAPINHA DE FRANGO, BATATA, BETERRABA, CHUCHU E ACELGA

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de frango cortado em cubos pequenos
½ batata pequena cortada em cubos
2 colheres de sopa de beterraba cortada em cubos
2 colheres de sopa de chuchu cortado em cubos
2 colheres de sopa de acelga picada

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e o frango. Acrescente em seguida a batata, a beterraba e o chuchu. Cubra com água. Tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte a acelga e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva.  

PAPINHA DE FRANGO, ARROZ, ERVILHA, CENOURA E ESPINAFRE

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de frango cortado em cubos pequenos
1 colher de sopa de arroz cru lavado
1 colher de sopa de ervilha fresca
½ cenoura pequena picada em cubos
2 colheres de sopa de espinafre picado

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e o frango. Acrescente em seguida o arroz, a ervilha e a cenoura. Cubra com água. Tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte o espinafre e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva.  

PAPINHA DE FRANGO, ABÓBORA, MACARRÃO, ERVILHA E COUVE-FLOR

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
2 colheres de sopa de frango cortado em cubos pequenos
1 colher de chá de cebola picada
3 colheres de sopa de abóbora picada
1 colher de sopa de macarrão para sopa
2 colheres de sopa de ervilha fresca
2 colheres de sopa de couve-flor picada

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e o frango. Acrescente em seguida a abóbora, a ervilha e o macarrão. Cubra com água, tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte a couve-flor e cozinhe por mais 5 a 10 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva.

PAPINHA DE CARNE, MANDIOQUINHA, CENOURA E COUVE

Ingredientes

1 colher de sobremesa de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
2 colheres de sopa de carne moída
1 mandioquinha pequena cortada em cubos pequenos
½ cenoura pequena cortada em cubos pequenos
2 colheres de sopa de couve picada

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola e a carne moída. Acrescente em seguida a mandioquinha e a cenoura. Cubra com água, tampe a panela e cozinhe até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Junte a couve e cozinhe por mais 5 minutos. Amasse todos os ingredientes com um garfo e sirva.  

PUREZINHO DE CHUCHU E CENOURA

Ingredientes

1 colher de chá de óleo vegetal
1 colher de chá de cebola picada
1/2 chuchu pequeno cortado em cubos pequenos
½ cenoura pequena cortada em cubos pequenos

Modo de preparo

Em uma panela, aqueça o óleo e refogue a cebola. Acrescente em seguida o chuchu e a cenoura. Cubra com água, tampe a panela e cozinhe em fogo baixo até que todos os ingredientes estejam bem macios e com um pouco de caldo. Amasse todos os ingredientes com um garfo. 

terça-feira, 12 de julho de 2011

Principais dúvidas na hora de dar a papinha

Alguns vídeos interessantes que tiram as principais dúvidas na hora de dar a papinha.







Lactente Sibilante

Valentina ontem teve consulta com a pneumologista e foi diagnosticada como sendo uma "lactente sibilante". Corri na internet para descobrir que bicho de sete cabeças era esse.

Segundo este Blog, a sibilância (ou chiado no peito) é muito frequente durante os primeiros anos de vida e várias doenças podem causá-la nesta faixa etária, como as infecções virais (Valentina teve ao 2º mês bronquiolite viral), doença do refluxo gastroesofágico e asma. A presença de 3 ou mais episódios nos últimos 12 meses é conhecida como sibilância recorrente. É necessário avaliar corretamente os sintomas, os antecedentes pessoais e familiares, a presença de fatores de risco (como tabagismo passivo) para identificar os prováveis asmáticos e iniciar o tratamento adequado.

Papinhas laxantes

Já comentei aqui no Blog sobre a prisão de ventre que Valentina tem às vezes. No momento, estou supondo que seja pela troca do leite Aptamil por Bebelac, ou pelo pela inserção de novos alimentos em seu cardápio. Confesso que fui anciosa e não segui a regra de ouro de ficar uma semana com uma fruta, até iniciar com outra. Passava três dias no máximo com uma fruta e já ia trocando. Isso não foi bom, já descobri! Então reforço aqui a idéia que a introdução de novos alimentos deve sim ser feita de forma gradativa, oferecendo ao bebê 1 fruta por vez, assim também com os alimentos para as papinhas salgadas, pois além de ajudar o bom funcionamento do intestino fica mais fácil identificar possíveis alergias. 


Valentina faz seu "servicinho" quase todo dia, é raro um dia que ela não faz. Mas  passou uns três dias (dois  e meio, na verdade) e eu vendo ali o incômodo da minha filha, sofrendo tanto, que acabei por fazer uso de um supositório de glicerina, pois tinha dias que ela não conseguia fazer cocô. Após me sentir culpada por utilizar este recurso (já contei pra vocês que sou chegada a um drama?), fiz algumas pesquisas e descobri que a ameixa é um santo remédio. Então comprei ontem ameixa preta sem caroço. Me ensinaram a cozinhar na água, bater no liquidificador e dar em forma de chá e/ou substituir a água do LA por esse mesmo chá de ameixa. Vou tentar hoje mesmo!

Pensando em amenizar esses incômodos, encontrei na internet (às vezes fico pensando: como nossos pais e avós sobreviveram sem esse recurso?) umas receitas de papinha doce e salgada baseada em alimentos conhecidos como laxantes. Lembrando que é necessário oferecer bastante água ao bebê para ajudar o funcionamento do intestino, a falta de líquidos é um dos principais motivos para a prisão de ventre.

Papinha de mamão + ameixa + laranja

½ mamão papaia, 2 ameixas pretas sem caroço, suco de ½ laranja + 50 ml de água
Coloque as ameixas com a água em uma panela e deixe ferver, até dissolver a ameixa. Após, passe em uma peneira e misture com o mamão (obviamente já sem casca e sem sementes), devidamente amassado com um garfo. Adicione o suco de laranja. Provavelmente ficarão pedaçinhos minúsculos da ameixa. Pode oferecer sem medo ao bebê que ele não irá se engasgar.

Papinha de legumes
1 pedaço pequeno de abóbora, 2 folhas de couve, ½ beterraba, 1 batatinha inglesa e um pedaço pequeno de carne ou frango. Em uma panela pequena junte todos os ingredientes com 1 dente de alho pequeno picadinho, 1 pedaço pequeno de cebola picadinha, 1 pedaço pequeno de pimentão, ½ tomate sem pele e sementes, 1 colher de chá de azeite de oliva, refogue um pouco tudo e coloque água até cobrir, cozinhe em fogo baixo (para evitar a perda maior de nutrientes). Por causa da beterraba será necessário processar a papinha depois de cozida.

Na foto, Valentina deliciando-se com a papinha de mamão + ameixa + laranja



E Valentina segue crescendo

Ontem tivemos consulta com a pneumologista da Valentina, a Dra. Mara Cristina, e saímos de lá bastante satisfeitos. Nossa bebê, embora continue com o nariz congestionado, segue algum tempo já sem cansar e isso, para uma mãe, é ótimo - ver que seu filho segue bem. A Dra. Mara passou novos medicamentos para tratar a alergia e reforçou a importância da fisioterapia respiratória. Mas Valentina é uma menina forte. Mesmo com o seu histórico gestacional, com uma mãe bio que não cuidou dela dentro do ventre (não quero entrar aqui nos detalhes, mas quando a recebemos, soube que Valentina era um milagre vivo!), nossa menina nasceu com saúde de ferro e é assim até hoje. Quando converso com os especialistas sobre esse histórico, todos são unânimes em concordar como ela cresce bem, com saúde. Nossa menina nunca teve sequer uma reação às vacinas. O único porém é essa crise alérgica que apresenta com poeira, ventilador e mudanças climáticas. Com cuidado, fica 100%.


Em tempo, na consulta com a pneumologista foi feito a medição (56cm) e o peso (5.000kg).

domingo, 10 de julho de 2011

O uso de supositório em bebês

Chegamos de viagem cedinho, por volta das 17h30, com tempo mais que suficiente para a rotina noturna da Valentina que, por volta das 20h30, toma seu banho, última mamadeira e logo em seguida é embalada no berço até dormir. Contudo, hoje foi um dia atípico e confesso que até estressante.

Valentina chegou em casa as quedas de sono. No caminho, já tinha feito servicinho (apenas digno de sujar a fralda), então ao chegar em casa, interrompi este momento e fui dar-lhe banho. Pronto, começou o berreiro!! Após uma meia hora gritando, acalmou-se e dormiu... zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz... por apenas dez minutos. E dá-lhe mais grito. Achei que era fome (sempre próximo de "virar o mês" ela tem picos de fome, aumentando em até 40-50ml a quantidade da mamada), tomou todo o leite, mas a tranquilidade não veio.

Elton, o super-pai, pega no colo, conversa, acalenta... E de repente me conta: são gases. Quando a pego no colo, percebo o quanto sua barriga tá dura... Lhe demos 4 gotas de simeticona, pra aliviar o desconforto e nada. Muito choro, muita espremedeira, mas nada de cocô. Após duas horas neste sofrimento, resolvi apelar e inseri um supositório de glicerina. Pronto!! Ufaaaaa!! Quase que instantamente fez seu cocô e agora dorme tranquila e bela. A mãe aqui??? Fica com a culpa, de não saber se fez o certo para a saúde da bebê.

Agora que ela aquietou-se, fui (re)ler o post sobre prisão de ventre e acredito que seja a inserção de novos alimentos o grande vilão da história. A três dias ela tomou suco de maçã e hoje apenas provou, levemente, o mamão. Amanhã irei ao mercado para comprar ameixa preta e assim tentar uma alternativa natural. De toda forma, amanhã começaremos também o novo cardápio e iniciaremos as obervações sobre esta nova etapa na vida da Valentina.

Como fazer comida para o bebê

A grande vantagem de ir para a cozinha para fazer a comida do bebê é aprender uma série de táticas culinárias novas e adquirir hábitos saudáveis que vão fazer bem para a família inteira.

O que você vai precisar

Não é muito diferente do que você já tem em casa. Uma panela de pressão é uma mão na roda para fazer caldos e sopas mais rápido -- mas se você não tiver, vai conseguir fazer sopas do mesmo jeito.

Potinhos plásticos pequenos, que possam ir ao congelador, são excelentes. Assim você pode congelar a sopa ou a comida em porções individuais, para uma refeição só. Também são ótimos para levar para outros lugares, como a casa da avó ou uma saída para almoçar fora com adultos.

O liquidificador também pode ser dispensado, porque dá para passar os legumes na peneira ou amassar com o garfo. Mas o melhor é ter a opção de usá-lo, na hora da pressa.

Descascadores de legumes são baratinhos, encontráveis em qualquer feira ou mercado, e facilitam muito a vida na hora de preparar os alimentos. Mesmo quem nunca descascou nada consegue sem problemas, com a ajuda deles.

Em termos de apetrechos para o bebê, um cadeirão é bom, mas no começo dá para usar o carrinho ou o bebê conforto mesmo. Pratinhos de plástico firme (não aqueles descartáveis) evitam acidentes. Babadores ou fraldas de pano são indispensáveis.

Como comprar os ingredientes

Quanto mais frescos estiverem os legumes, as frutas e as verduras, melhor. Em determinadas regiões do país já há a opção de comprar orgânicos, o que é preferível, pois há menos substâncias tóxicas. O problema é que eles costumam ser caros demais.

Verduras e legumes congelados também podem ser usados.

As primeiras frutas são clássicas: laranja-lima, mamão, banana, maçã, pêra, abacate.

Na área de salgados, você terá um bom começo com batata, mandioquinha (batata baroa), abóbora, cenoura, beterraba, nada muito complicado.

Pondo a mão na massa

Antes de qualquer coisa, lave muito bem as mãos e os ingredientes. Você pode ter uma escovinha na cozinha só para lavar bem os legumes e as frutas. Lave sob a água corrente, esfregando bem, mesmo que vá descascar. Pode usar até detergente neutro, enxaguando bem depois.

A água sanitária é um ótimo agente de limpeza. Basta deixar o alimento cru de
molho em água com um pouco do produto (1 colher de sopa por litro), por
pelo menos 15 minutos, em seguida escorrer e enxaguar tudo muito bem em água corrente, para evitar que sobre um gosto desagradável.

A mesma substância da água sanitária, o hipoclorito de sódio, também é comercializada só para esse uso, em gotas, e pode também ser obtida em alguns postos de saúde.

O vinagre, bastante utlizado na higienização caseira de frutas, legumes e verduras, não é considerado eficiente para eliminar microorganismos pelos especialistas. Em caso de mais dúvidas, leia nosso texto sobre como higienizar alimentos.

Para preservar o máximo dos nutrientes, procure não ferver as verduras e os legumes em água e depois jogar a água fora. Se precisar cozinhar em água, use a menor quantidade possível.

No começo, tudo deve ser bem molinho (leia mais sobre os primeiros alimentos do bebê). Por isso é bom cozinhar tudo muito bem -- fica mais fácil para amassar com o garfo e formar a papinha.

Procure comprar carne e frango bem frescos. Retire a pele e a gordura antes de cozinhar. No começo, dependendo da orientação do pediatra, só caldo de carne e frango podem ser usados, sendo depois de algumas semanas batidos no liquidificador ou processador e lá pelos 10 meses, cortados em pedaços bem pequenos ou desfiados.

Leia nossas sugestões de combinações de sabores para as primeiras papinhas.

Dicas para a hora de servir

- Ofereça a comida morna, mais ou menos na temperatura do corpo. Se você a colocar sobre o dorso da mão, o certo é não senti-la pelando.

- Cuidado quando esquentar a comida no microondas, porque uma parte fica morna e outra fica quentíssima, e você pode não perceber. Se for sopa, misture bem depois de esquentar, e aí teste a temperatura. Alimentos como a batata "seguram" mais o calor e podem ficar quentes por dentro sem que você perceba.

- Jogue fora tudo o que sobrar no prato. A regra é simples: se você colocou uma colher que foi para a boca de alguém na comida, essa comida não pode ser guardada. As bactérias presentes na saliva, mesmo em pequena quantidade, podem se proliferar no alimento, até dentro da geladeira. Bebês têm o sistema digestivo mais sensível, portanto todo cuidado é pouco.

- Coloque pouca comida no pratinho. Primeiro para evitar o desperdício: tudo o que sobrar terá que ser jogado no lixo, como explica o item acima. Segundo para evitar a frustração: se seu filho comer 10 colheres, pode ser que esteja ótimo para ele, mas você vai ficar achando que ele não comeu nada porque o prato ainda está cheio. Uma boa medida para começar é mais ou menos a quantidade de alimento que cabe em uma xícara (a criança pode pedir mais ou ficar satisfeita com cerca de 200 ml de papa).

- Não ponha açúcar na comida do bebê. O açúcar das frutas já é suficiente (prefira as mais maduras, que são mais docinhas). E lembre-se de que não pode dar mel a crianças de menos de 1 ano.

- Vá com calma nos temperos. Coloque pouco ou nenhum sal e vá usando cebola e alho bem aos poucos, para o bebê ir se acostumando. Por outro lado, também não vale dar uma comida insossa demais para o bebê -- seu objetivo é que ele aprenda a comer as mesmas coisas que o resto da família, no futuro, e que tenha hábitos alimentares saudáveis.

- Preste atenção em possíveis alergias alimentares. Dê um ingrediente novo por dia, não cinco de uma vez, senão você não vai ter como saber qual foi que fez mal, em caso de reação. Saiba mais sobre como apresentar novos alimentos.

- Reaproveite as sobras (desde que não as do prato do bebê). Na geladeira, elas podem ser dadas à criança até o dia seguinte. Você também pode congelar a comida -- de preferência em porções individuais. Escalde o recipiente antes, para garantir. Num freezer que seja só freezer (não junto com a geladeira), os alimentos assim podem durar mais de 3 meses, mas o melhor é ir usando logo. Cole etiquetas com a data para ir aproveitando o que está no freezer há mais tempo.

No congelador da geladeira, principalmente se não houver porta separada, a durabilidade é menor. É melhor usar o alimento em no máximo um mês.

Fonte: http://brasil.babycenter.com/baby/introduzir-solidos/como-faz-comida/

Dicas sobre vitaminas e cardápio do bebê

Ao iniciar um novo cardápio para o bebê, lembre-se sempre de começar com um alimento novo por semana. Por exemplo, dê o suco de laranja por três ou quatro dias e somente após, inicie a mistura desse com outra fruta ou legume. Depois que o bebê conhecer o sabor de várias frutas, você pode misturá-las. Suco de laranja com mamão; laranja com goiaba, com maçã etc. Alguns legumes devem sim ser oferecidos em forma de suco. Os mais usados são a cenoura, a beterraba e o tomate. Para introduzi-los, você deve seguir o mesmo procedimento adotado com as frutas. Com isso, o bebê passará a reconhecer o gosto dos alimentos e guardar o paladar. Hoje em dia não existem restrições quanto ao tipo de fruta utilizada nos sucos. É claro que as melhores frutas para elaborar sucos são aquelas ricas em vitamina C, pois essa vitamina tem um poder maior de absorver o ferro dos outros alimentos. Mas isso não quer dizer que o bebê não possa ingerir sucos de maçã ou pêra, por exemplo. O que importa é que a fruta esteja fresquinha.

Não é preciso adoçar o suco. As frutas tem frutose, que é um açúcar natural. Apenas as frutas mais ácidas, como limão e maracujá, devem ser adoçadas, e mesmo assim, com pouca quantidade de açúcar (nunca antes dos seis meses). Ao contrário dos sucos, a papinha doce pode substituir uma mamada. Como o ideal é dar preferência às frutas ricas em vitaminas C para preparar os sucos, você deve lançar mão de outras frutas para elaborar a papinha. Neste caso vale tudo: de banana, maça, mamão, etc... O melhor é oferecer a mesma fruta por dois dias e observar possíveis alterações, como intestino preso ou solto demais e erupções na pele. As frutas devem ser raspadas com a colher ou amassadas com o garfo. Mas se a criança apresentar muita dificuldade para mastigar e engolir, você pode passar as frutas em uma peneira, não muito fina. Depois com o passar dos dias, vá deixando a papinha cada vez mais sólida. A quantidade deve ser gradativa. Comece sempre com uma colher rasa das de sobremesa e vá aumentando até chegar a uma fruta inteira.

Você pode, também, misturar as frutas. O melhor é oferecer apenas um tipo, para a criança poder conhecer e identificar os diversos sabores. Mas quando a criança está com o intestino preso, por exemplo, uma boa alternativa é misturar ameixa preta cozida com mamão, abacate ou morango. A mamadeira ou a mamada só será substituída quando a criança comer uma fruta inteira. No entanto, algumas crianças não deixam o leite de lado. Por isso, meia hora após ter dado a papinha de frutas, se perceber que a criança está irritada ou chorando de fome, ofereça o leite. Se ela não aceitar é sinal que está satisfeita e, assim, o choro - ou a irritação será por outro motivo.

Dicas interessantes para as primeiras tentativas:

Um dos reflexos mais comuns do bebê é empurrar com a língua os alimentos para fora da boca. Por isso, com certeza seu filho irá cuspir as primeiras colheradas. Isso não quer dizer que ele não queira comer. A melhor maneira de driblar esse problema é oferecer os alimentos colocando a colher nos cantos da boca, em pequenas quantidades.

Ofereça a papinha de frutas na hora em que o bebê estiver acostumado a mamar. Um bom horário é a mamada do meio da tarde. Assim, você não corre o risco de ele rejeitar a fruta por estar satisfeito.

O importante é variar e aproveitar as frutas da época. Morango, cereja e figo, por exemplo, não dão o ano todo.

Não caia na tentação de adoçar a papinha de frutas. Faça isso só quando a criança rejeitar várias vezes a fruta. Mesmo assim, o açúcar deve ser em pequena quantidade.

Sempre ofereça água depois da papinha de frutas. Algumas, como a de banana, a de abacate e a de mamão podem dar sede.

Algumas frutas soltam mais o intestino do que outras. Mas vale lembrar que cada organismo pode reagir de uma maneira. Assim, não se espante se o mamão - apesar de ser considerado uma fruta "laxante" por exemplo, prender ou não modificar em nada o intestino do seu bebê.

Vitaminas
As vitaminas não agem sozinhas e servem justamente para ajudar a transformar a comida em energia. Esqueça as vitaminas sintéticas e as chamadas naturais que se vendem em cápsulas. Procure uma alimentação equilibrada com alimentos integrais e legumes frescos que terá tudo que a criança precisa. Para que as vitaminas são importantes e em qual alimento encontrar:


Vitamina A
Formação da pele e das membranas mucosas da boca, do nariz e dos intestinos, aumentando a resistência à infecções. É importantíssima para os olhos e para que não tenha perda de apetite, alergia, manchas na pele, cabelo seco, coceira e ardência nos olhos, cegueira noturna, perda de olfato, ressecamento da pele, sinusite, ou ter o esmalte dos dentes fracos. Encontramos no fígado, leite integral, arroz integral, ameixa preta, ervilhas, brócolos, couve-de-bruxelas, leite, requeijão e manteiga, ovos e legumes coloridos como abóbora, cenoura, tomate e folhas escuras como espinafre, couve e taioba, frutas amarelas como mamão, manga e caqui.

Complexo B
Atuam no metabolismo das células e constituem sistemas enzimáticos que atuam em série, no sistema neuro-muscular, na pele e nas mucosas. A energia dos cereais e outros alimentos só pode ser aproveitada com a ajuda e através das vitaminas do complexo B. Encontramos na carnes (de vaca, de galinha ou de peixe), vísceras (especialmente fígado e rins), leguminosas (feijão, ervilha, lentilha, vagem, amendoim), folhas escuras e levedo. O arroz com feijão é nutricionalmente sábio e bastam 199 gramas de arroz com 25 de feijão por dia. Quem come arroz integral, feijão, toma leite e come amendoim, fica mais protegido contra problemas do sistema nervoso, falta de apetite, inchaços, espasmos musculares, distúrbios digestivos, fadiga, irritabilidade, nervosismo, dormência nos pés e nas mãos, fôlego curto, moral baixa, sensibilidade ao barulho e beribéri.facilita a formação dos anticorpos que protegem a criança, a formação das células vermelhas e ainda atua no metabolismo. Acelga, mostarda, brócolos, melão, cenoura crua, repolho, agrião, ovo, leite ou sorvete, não vai ter rachaduras e feridas nos lábios e no canto da boca, tonturas, coceira e ardência nos olhos, digestão difícil, língua irritada e vermelha, nem vai crescer devagar. Vitamina B12 ajuda na formação do sangue e na manutenção do sistema nervoso, facilita o apetite, faz as células durarem mais tempo e funcionarem melhor, é bom para a medula óssea, para o sistema nervoso, para os intestinos, protege da anemia. Um ovo, ou um atum em lata, ou um pedacinho de bife de fígado ou um pedaço de queijo suíço suprem a necessidade.

Vitamina C
O ácido ascórbico ou vitamina C está nas plantas, assim que elas começam a crescer, nos vegetais de folhas verdes e algumas frutas como o melão, a laranja e a acerola. Meio melão médio ou três laranjas já são suficientes para fortalecer as paredes dos vasos sangüíneos, para produzir o material que mantém juntas as células do corpo, para ajudar a curar feridas e solidificar ossos quebrados, para dar bons ossos e bons dentes, para utilizar no corpo o ferro dos alimentos ingeridos, para prevenir hemorragias e das resistências contra as gripes e resfriados. Frutas maduras, no ponto, são as principais fontes de vitamina C. Encontramos no caju, goiaba, acerola, mamão, laranja, tangerina, manga, limão, abacaxi, morango, kiwi e melão. O pimentão também é uma boa fonte de vitamina C. O calor destrói a vitamina C, assim como o armazenamento dos sucos. Por isso, as frutas devem ser comidas frescas e cruas e os sucos feitos na hora. Comer frutas todos os dias é uma boa regra de alimentação.A salsa e o melão são os alimentos mais ricos em vitamina C que se conhece, mas também há muita vitamina C no repolho e no brócolos, no pimentão verde, na mostarda, no agrião e nos morangos. Quem tem uma alimentação rica em vitamina C fica menos sujeito a contusões, sangramentos, anemia, cáries, infecções, gripes, coriza, má digestão, irritabilidade e perda de peso.

Vitamina D

Vitamina D é fabricado em nosso próprio organismo quando a gente toma sol e ele age sobre algumas substâncias oleosas que nós temos na pele. Criança que nunca toma banho de sol fica carente, raquítica, não consegue dormir, fica nervosa, pode ficar míope, tem diarréia, tem ossos fracos, o metabolismo é deficiente para as outras vitaminas. Se a criança, precisa ficar um longo período longe do sol, precisa tomar óleo de fígado de bacalhau. A vitamina D aumenta a absorção intestinal de cálcio e fósforo e facilitar que eles sejam depositados nos ossos, fortalecendo o esqueleto. O excesso de vitamina D tem um efeito que é a saída de cálcio dos ossos e a sua eliminação pelos rins, podendo provocar a formação de cálculos renais.

Vitamina E

As funções e necessidades da vitamina E e dos antioxidantes são ainda pouco e mal conhecidas. Quem comer folhas verdes-escuras e legumes terá suficiente vitamina E. Nozes e óleos de várias sementes também são boas fontes. E está principalmente nos vegetais de folhas verdes, no óleo de girassol e no abacate.

Refeições da Valentina no 4o. mês

Próxima semana Valentina completará quatro meses. O tempo, mais uma vez, implacável, voando. Como comentei em um post anterior, já a iniciamos no processo de degustação de frutas. Primeiro em forma de suquinhos (laranja, maçã e melancia) e agora iniciaremos com as papinhas doces. Estou muito empolgada com o início desta etapa, tão importante para o conhecimento de novos sabores e texturas.

É importante lembrar que as sopinhas (ou papinhas de legumes) precisam ter em sua composição os nutrientes de quatro grupos específicos:

CARBOIDRATO (Batata ou batata doce ou inhame ou macaxeira ou arroz ou macarrão)
PROTEÍNA (Carne ou frango)
LEGUME (Cenoura ou abóbora ou beterraba ou jerimum)
VERDURA (Chuchu ou abobrinha ou brócolis ou couve ou espinafre ou barinjela)

A partir da combinação destes grupos, pode-se criar variações diversas, como:

papinha de carne + couve + abóbora + chuchu + macarrão
papinha de frango + espinafre + cenoura + vagem + arroz
papinha de carne + couve flor + chuchu + cenoura + macarrão
papinha de frango + berinjela + cenoura + chuchu + macarrão
papinha de carne + brócolis + batata ou inhame + beterraba + chuchu
papinha de frango + abobrinha + batata doce + abóbora
papinha de carne + chuchu + cenoura + arroz + couve + feijão


Neste 4º mês da Valentina, iniciamos com os sucos e após uns dias, começamos com as papinhas. Conseguimos montar um quadro para nos orientar. Em uns 20-25 dias, iremos começar com as papinhas salgadas.






Receitas das papinhas doce e sucos no 4º mês



  • Papinha doce de mamão com laranja
Ingredientes: 1/4 de mamão tipo papaya + 100ml de suco de laranja
Preparo: Corte o mamão, retire as cascas e as sementes. Amasse-o com um garfo, até obter um purê. Misture com o suco de laranja.


  • Papinha doce de maçã
Ingredientes: 1 maçã sem casca e sem sementes
Preparo: Depois de descascar as maçãs e retirar as sementes, corte-as em fatias. Numa panela, leve as maçãs com um pouco de água, em fogo brando. Tampe a panela e cozinhe até ficarem macias. Amasse com garfo até obter um purê. Sirva frio.


  • Papinha de três frutas
Ingredientes: 100ml de suco de acerola + 1/2 pêra descascadas + 1/2 banana-maçã sem casca
Preparo: Ferva 100ml de água e deixe esfriar. Coloque o suco de acerola no liquidificador, junte a pêra e a água. Bata bem e reserve. Em um prato fundo, amasse a banana com um garfo e junte o suco reservado. Adicione Mucilon 5 Cereais e mexa até obter um mingau. Siga a servir.
Dica: Se desejar, substitua o suco de acerola por suco de laranja. Neste caso, não use a água.


  • Suco de laranja com cenoura
Ingredientes: 2 laranjas-lima + 1 cenoura média + 40ml de água
Preparo: Passe na centrífuga a cenoura com a água, formando um suco. Peneire e reserve. Faça o suco de laranja e misture com o suco de cenoura. Sirva imediatamente.



  • Suco de tomate com maçã
Ingredientes: 1/2 tomate médio maduro + 1/2 maçã + 40ml de água
Preparo: Tire a casca e as sementes do tomate. Pique em pequenos pedaços e com um pouco de água, passe em uma peneira, formando um suco. Acrescente o suco da maçã. Sirva imediatamente.

Vale consultar este tópico sobre alimentação na comunidade Mamães de Fortaleza, na rede social Orkut.